WEB RÁDIO TROPICAL

WEB RÁDIO TROPICAL
24 HORAS NO AR ( A EMOÇÃO DO VERÃO)

OUÇA EM SEU SMART-FONE

SISTEMA ANDROID: CLICK SISTEMA I-PHONE> CLICK! SISTEMA ITUNES: CLICK SISTEMA BLACKBERRY> CLICK

WEB RADIO TROPICAL

24 HORAS NO AR - SEU VERÃO É MAIS GOSTOSO AQUI!
Carregando ...
COBERTURA TOTAL DO VERÃO 2017 DE SÃO FRANCISCO & REGIÃO! -

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Jovem é detido ao entregar marmita para policiais do BME no ES


Elis CarvalhoDe A Gazeta
Um jovem de 19 anos foi preso enquanto entregava marmitas para policiais do Batalhão de Missões Especiais (BME), na tarde desta quarta-feira (29). Isso aconteceu porque o entregador tinha um mandado de prisão expedido pela Justiça e mesmo assim foi fazer a entrega aos militares. No local, ele foi reconhecido e acabou preso.

De acordo com Tenente Anthony, chefe da comunicação do BME, todas as tardes os policiais costumam pedir marmitas. Nesta quarta não foi diferente e por volta das 12h30 eles ligaram para uma empresa que presta esse tipo de serviço.
“Assim que ele chegou na portaria, o policial responsável por tomar conta do pátio do quartel já reconheceu o acusado. Ele falou: 'Eu já prendi você. Qual o seu nome completo?'. O suspeito respondeu e o policial pediu que ele entrasse”, explicou.

Depois, o policial pediu que o entregador aguardasse e foi checar o nome informado por ele no Centro Integrado de Operação e Defesa Social (Ciodes). O sistema informou que havia um mandado prisão em aberto por tráfico de drogas e desacato. O policial foi até ele e deu voz de prisão. Ele não reagiu.

Antony contou que foi a primeira vez que um procurado pela polícia foi até o Batalhão, espontaneamente, para vender algo.

“É a primeira vez que vejo algo semelhante. Chega a ser cômico. Difícil entender porque ele foi entregar marmita no quartel. Provavelmente acreditou que ninguém o reconheceria, ou que não haveria recursos para essa investigação imediata, ou até mesmo foi para zombar de nós mesmo. Mas se deu mal”.

Homem morre em troca de tiros ao invadir casa de PM no ES


André FalcãoDa TV Gazeta
Um homem morreu durante uma troca de tiros, ao invadir a casa de um policial militar, na Praia de Itaparica, em Vila Velha, na Grande Vitória, na noite desta quarta-feira (29). Os outros três suspeitos que acompanhavam a vítima conseguiram fugir e ainda não foram encontrados.
Segundo a ocorrência, quatro homens armados e encapuzados cortaram a cerca elétrica da casa, renderam moradores de outros andares do pequeno prédio onde o policial mora e, quando foram entrar na casa, se depararam com o PM.
Em seguida, houve troca de tiros entre os quatro e a polícia e um dos suspeitos morreu na hora, dentro da casa. O policial não foi atingido e os outros criminosos conseguiram fugir.

Suspeito de assalto em ônibus é agredido por populares no ES


Glacieri CarraretoDe A Gazeta
Cobrador ajudou a deter suspeito durante assalto no Espírito Santo (Foto: Fernando Madeira/ A Gazeta)Cobrador ajudou a deter suspeito durante assalto no Espírito Santo (Foto: Fernando Madeira/ A Gazeta)
Um homem, suspeito de assaltar uma passageira dentro de um ônibus, em Laranjeiras, na Serra, Espírito Santo, foi agredido por populares. Ele foi detido até a chegada da Polícia Militar nesta quarta-feira (30).

Segundo testemunhas, o suspeito entrou no coletivo da linha 506 (Terminal Laranjeiras - Terminal de Campo Grande) ainda no centro comercial de Laranjeiras e já levantou desconfiança por parte do cobrador.
“Ele estava de óculos escuros em um dia de chuva, capuz na cabeça dentro de ônibus e pagou passagem e não queria passar a roleta. Ficava olhando para o meu caixa. E eu passei a acompanhar os passos dele. Disse que deveria passar”, detalhou o cobrador, de 24 anos.

No ônibus havia cerca de 40 pessoas. O suspeito parou próximo a uma adolescente que mexia no celular e anunciou o assalto. Simulando portar uma arma na cintura, ele disse que atiraria nas pessoas e puxou o telefone da vítima. Logo, ele desceu no próximo ponto.

“Eu gritei que ele não estava armado e desci do ônibus. A cena me causou indignação. Corri atrás dele gritando por cerca de 200 metros e outras pessoas foram se juntando, carros e motos parando”, detalhou o cobrador.

O suspeito foi agredido por cerca de 20 pessoas e, posteriormente, imobilizado até a chegada da Polícia Militar. O celular da passageira do ônibus foi encontrado com o suspeito, junto com uma faca.

Agressões
Devido às agressões, o suspeito foi levado para o Hospital Jayme Santos Neves, na Serra, para receber cuidados médicos. Assim que receber alta, será levado para a Delegacia Regional.

Para o cobrador, a “justiça feita com as próprias mãos” foi uma ação impensada. “Não deveria ser assim, agi no impulso. Mas já estou cansando de situações ações e vejo que muita gente também. Já fui assaltado em 2012 e também reagi. Sei que não é o certo, mas só quem vive sabe se vai reagir ou não”, disse o cobrador.

Ele ainda descreveu a atitude do ladrão como ousada. “Ele olhava muito para o meu caixa e não queria passar a roleta. Foi muita ousadia querer assaltar um ônibus sem arma”, completou.

Menores são detidos com 100kg de maconha na BR-101 em Viana


Victoria VarejãoDo G1 ES
Mais de 100 quilos de maconha são apreendidos em Viana (Foto: Divulgação/PRF-ES)Mais de 100 quilos de maconha são apreendidos em Viana (Foto: Divulgação/PRF-ES)
Dois adolescentes foram detidos com mais de 100 quilos de maconha, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF-ES), na BR-101, em Viana, na Grande Vitória, na manhã desta quinta-feira (30). Os dois menores tentaram fugir de carro, mas acabaram alcançados.
A PRF-ES informou que, por volta das 9h, passava uma picape pela rodovia e os policiais ordenaram a parada. Nesse momento, o veículo acelerou e tentou fugir, mas acabou sendo alcançado no final da estrada, próximo ao entroncamento com a BR-262.
Ao serem parados, os adolescentes foram encontrados com 103 quilos de maconha. Ainda não há informação sobre a idade dos dois, que seguem detidos no posto da PRF de Viana.

Vigilante morre ao reagir a assalto dentro de carro na Serra, ES


Gabriela RibetiDo G1 ES, com informações da TV Gazeta
Vigilante morre ao reagir a assalto dentro de carro, espírito santo (Foto: Arquivo Pessoal)Vigilante morre ao reagir a assalto dentro de carro
(Foto: Arquivo Pessoal)
Um vigilante de 51 anos morreu ao reagir a um assalto dentro do carro de um amigo na Rodovia Audifax Barcelos, na Serra, na Grande Vitória, por volta de 20h nesta quarta-feira (29).
A vítima é Manoel Martins Neto, que estava com um amigo quando foi assaltado.
O homem que estava com Manoel prestou depoimento à polícia e contou como o crime aconteceu.
Ele relatou que os dois eram amigos e que faria um empréstimo para o vigilante. Eles foram à Jacaraípe e sacaram o dinheiro.
O amigo relatou que sacou R$ 1 mil e, quando entram no carro, um homem armado também entrou e mandou o motorista dirigir até a Rodovia Audifax Barcelos.
Já na rodovia, o assaltante mandou que os dois entregassem todo o dinheiro, celular e os objetos pessoais.
Neste momento, o vigilante que estava no banco do carona reagiu e levou um tiro. O amigo disse que parou o carro e correu. Ele contou que o assaltante jogou o corpo de Manoel na rodovia e fugiu com o veículo.
A morte surpreendeu a família de Manoel. “Era um cara tranquilo, trabalhador e chegou acontecer isso com ele”, lamentou o irmão Carlos Roberto Martins.O velório e o enterro do vigilante será na tarde desta quinta-feira (30) no cemitério de Carapina, na Serra.
A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o crime.

Em dia de júri, pai de acusado por morte de ex quer punição do filho


Victoria VarejãoDo G1 ES
“Não há justiça sem respeito à lei”, declarou o pai de Christian Cunha, acusado de matar a ex-namorada Bárbara Richardelle, que vai a júri popular nesta quinta-feira (30), em Vila Velha, na Grande Vitória. Carlos Eduardo Azevedo Cunha pediu perdão pelo filho, mas também fez um apelo para que as pessoas tenham compaixão com a família dele.
'Não deveria sair dali viva', disse jovem que matou ex-namorada no Espírito Santo. (Foto: Marcos Fernandez/ A Gazeta)Jovem confessou que matou ex (Foto: Marcos
Fernandez/ A Gazeta)
O crime ocorreu no dia 17 de março de 2014 e teve grande repercussão no estado. Bárbara foi assassinada dentro do canteiro de uma obra em Vila Velha e teve o corpo abandonado às margens da Rodovia Darly Santos, no mesmo município, cinco horas depois do crime.
Na nota enviada, o pai do acusado disse que pensa sempre na dor da mãe de Bárbara. “Ao contrário da opinião de muitos, me importo sim e muito com os sentimentos da mãe de Bárbara... Penso na dor desta mãe todos os dias. Sinto vontade de dar uma abraço nela e pedir perdão pelo meu Filho mesmo que ela não o perdoe”, lamentou.
Poucos dias após o crime, Carlos Eduardo já havia se manifestado para que fosse “feita justiça” e falou que, se depender dele, o filho “vai pagar pelo que fez”.
Mesmo assim, durante o apelo desta quinta-feira, o pai do acusado pediu menos julgamento da sociedade. “Durante os últimos dois anos, a sociedade julgou e condenou meu filho da mesma forma irracional que possivelmente ele agiu no momento do crime. Não podemos nos igualar”, falou.
Carlos Eduardo declarou que o filho se arrepende do que fez. “Eu e ele debatemos muito isso e o arrependimento dele está nítido, porém, o arrependimento é importante mas não trará a Barbara de volta”, disse.
Bárbara Richardelle (Foto: Reprodução/ Facebook)Bárbara Richardelle (Foto: Reprodução/ Facebook)

Construtora no ES é alvo de desdobramento da Lava Jato


Juirana NobresDo G1 ES, com informações do G1 GO
Carro da Polícia Federal no pátio da Pelicano (Foto: Kaique Dias/ CBN Vitória)Carro da Polícia Federal no pátio da Pelicano (Foto: Kaique Dias/ CBN Vitória)
A empresa Pelicano Construções S.A., que fica na Serra, na Grande Vitória, é um dos alvos da investigação da Operação 'Tabela Períodica', desdobramento da Lava Jato, da Polícia Federal, deflagrada em Goiás na manhã desta quinta-feira (30).
A empresa aparece na lista de investigados em função de sua participação em consórcios beneficiados ou possivelmente beneficiados pelo esquema de cartel, fraude em licitações, corrupção, peculato e lavagem de dinheiro em obras da ferrovia Norte-Sul, segundo a Polícia Federal.
Pelicano Construções S.A. fica na Serra e diretores não foram encontrados, espírito santo (Foto: Divulgação/Pelicano)Pelicano Construções S.A. fica na Serra 
(Foto: Divulgação/Pelicano)
A Pelicano foi procurada pelo G1 na manhã desta quinta-feira (30) e informou em nota, que a Polícia Federal esteve em sua sede solicitando informações e documentos reflacionados à possível formação de cartel para a construção das Ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste, oriunda de licitações celebradas pela Valec - Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.
Disse ainda que, é empresa especializada em obras ferroviárias e atua há mais de  35 anos neste segmento, motivo pelo qual foi convidada a participar do consórcio para a execução da Ferrovia Integração Leste-Oste, na qualidade de consorciada minoritária, não exercendo liderança ou poder de decisão.
A Pelicano disse que não cometeu qualquer tipo de irregularidade e que sempre prestará todas as informações necessárias colaborando irrestritamente para a investigação.
Operação Tabela Periódica
O Ministério Público Federal (MPF-GO) e a Polícia Federal deflagraram na manhã desta quinta-feira (30) a Operação "Tabela Periódica", mais uma etapa da Operação "O Recebedor", que apura fraudes na construção das Ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste.
São cumpridos 44 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de condução coercitiva no Espírito Santo e em mais oito unidades da federação.
As diligências estão sendo realizadas nesta manhã em Goiás, Rio de JaneiroSão Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais, Ceará, Paraná,Bahia e Espírito Santo.
Segundo o MPF, o objetivo é recolher provas adicionais do envolvimento de empreiteiras e de seus executivos na prática de cartel, fraude em licitações e pagamentos de propina a ex-diretores da Valec, relacionados aos contratos de construção das ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste, revelados em acordo da Camargo Corrêa com a força-tarefa da Operação Lava Jato, que apura um esquema de corrupção na Petrobras.
As provas colhidas vão ser utilizadas para punir empresas e executivos envolvidos no esquema de fraude nas licitações da construção das ferrovias.
Denúncia
No último dia 15 de maio, o MPF ofereceu denúncia contra oito pessoas suspeitas de envolvimento na operação "O Recebedor", deflagrada em fevereiro deste ano, que investiga formação de cartel e outras irregularidades na construção das ferrovias.
Os crimes atribuídos aos envolvidos são prática de cartel, corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e fraudes em licitação. Em valores corrigidos, os desvios podem ter chegado a mais de R$ 600 milhões, somente em Goiás, entre 2006 e 2011. O MPF/GO pede na Justiça o ressarcimento do montante.
O procurador da República, Hélio Telho, afirmou na época que oito empreiteiras eram investigadas na operação. Ele explicou que elas promoviam uma "concorrência de mentirinha" para simular que havia uma competição pela licitação que, no entanto, já estava definida. A situação configurava o crime de cartel.
"Várias empresas fazem um acordo para anular a competição, para combinar os preços dos lotes da ferrovia cedidos para as vencedoras das licitações. Os editais eram direcionados e restringiam outras empresas para que apenas o grupo daquelas empreiteiras tivessem condições de participar. Elas apresentavam um preço que tinha uma concorrência de faz de conta", afirmou o procurador em maio deste ano.
A investigação apontou que Juquinha das Neves recebeu R$ 2,2 milhões de propina. O procurador afirma que não há indícios de que ele tenha iniciado o esquema, mas foi recrutado para participar.
"O cartel existe antes do Juquinha. Não é possível dizer que ele era o chefe. O que se observou é que ele foi cooptado pelo esquema que pagou propina para ele. O Juquinha teve papel importante na expansão, quando formava os consórcios e decidida qual empresa ficaria com qual lote”, destacou.
No âmbito da O Recebedor, já foram instauradas dez ações judiciais e 37 processos contra pessoas físicas e jurídicas envolvidas. Mais de R$ 136 milhões foram bloqueados para ressarcimento ao erário.
Acordo de leniência
O esquema começou a ser investigado após um acordo de leniência firmado com a construtora Camargo Corrêa. Em acordos do tipo, uma empresa envolvida em algum tipo de ilegalidade denuncia o esquema e se compromete a auxiliar um órgão público na investigação. Em troca, pode receber benefícios, como redução de pena e até isenção do pagamento de multa.
Segundo o MPF/GO, a Camargo Corrêa se comprometeu a restituir R$ 700 milhões aos cofres públicos, dos quais R$ 75 milhões são destinados a ressarcir os danos acusados à Valec.
Operação 'O Recebedor'
A operação foi deflagrada na manhã no dia 26 de fevereiro em Goiás, Paraná, Maranhão, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal. Ao todo, são cumpridos sete mandados de condução coercitiva e 44 de busca e apreensão no país. Destes, sete mandados foram em Goiás, sendo que três ainda estavam sendo cumpridos.
Segundo o MPF/GO, o objetivo da operação é o de recolher provas sobre o pagamento de propina para a construção das Ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste, bem como prática de cartel, lavagem de dinheiro e superfaturamento.
Ferrovia Norte-Sul
A Ferrovia Norte-Sul foi inaugurada no dia 22 de maio de 2014, depois de cerca de 25 anos do início das obras. O trecho entre Palmas, no Tocantins, e Anápolis, em Goiás, tem 855 quilômetros de trilhos.
Apesar da inauguração, a primeira viagem só foi feita em dezembro do ano passado. Devido à demora da obra, a Valec não soube precisar quanto de dinheiro já havia sido gasto. A estatal estimou, na época, a quantia de US$ 8 milhões. Denúncias de irregularidades marcaram a construção.
Em novembro, o MPF-GO ofereceu denúncia contra oito pessoas suspeitas de superfaturar obras da Ferrovia Norte-Sul em Goiás. Todos eles devem responder por peculato e, se condenados, podem pegar até 12 anos de prisão.
O prejuízo com cargas que deixaram de ser transportadas, perdas e impostos não arrecadados pode chegar a US$ 12 bilhões por ano, segundo a Valec.