WEB RÁDIO TROPICAL

WEB RÁDIO TROPICAL
24 HORAS NO AR ( A EMOÇÃO DO VERÃO)

OUÇA EM SEU SMART-FONE

SISTEMA ANDROID: CLICK SISTEMA I-PHONE> CLICK! SISTEMA ITUNES: CLICK SISTEMA BLACKBERRY> CLICK

WEB RADIO TROPICAL

24 HORAS NO AR - SEU VERÃO É MAIS GOSTOSO AQUI!
Carregando ...
COBERTURA TOTAL DO VERÃO 2017 DE SÃO FRANCISCO & REGIÃO! -

domingo, 30 de novembro de 2014

Suspeitos oferecem R$ 3 mil para não serem presos no Rio



Dupla estava com 13 mil cápsulas para armazenamento de cocaína.
Bruno Freitas Coutinho e Leandro Jesus de Souza estavam em táxi pirata.

Do G1 Rio
A polícia prendeu dois suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas na comunidade do Mandela, na Zona Norte do Rio. As informações são da GloboNews.
Bruno Freitas Coutinho, de 28 anos, e Leandro Jesus de Souza, de 34 anos, estavam em um táxi pirata, e transportavam 13 mil cápsulas para armazenamento de cocaína e um revólver.
Eles chegaram a oferecer R$ 3 mil aos policiais para não serem presos, mas foram levados para a delegacia de Bonsucesso. A droga iria para a Vila Kennedy, na Zona Oeste, que tem uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).
Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o VC no G1.

Policial civil é baleado após reagir a assalto no Humaitá, Zona Sul do Rio


Helson Waillant Canellas levou 3 tiros; ele foi operado e passa bem.
Crime aconteceu na noite de sexta-feira, na Rua Humaitá.

Do G1 Rio
Policial civil é baleado após reagir a assalto no Humaitá, Zona Sul do Rio (Foto: Reprodução/TV Globo)Policial civil é baleado após reagir a assalto no Humaitá, Zona Sul do Rio (Foto: Reprodução/TV Globo)
Um policial civil identificado como Helson Waillant Canellas foi baleado na sexta-feira (28) no Humaitá, Zona Sul do Rio. O crime ocorreu por volta das 19h30 na Rua Humaitá, altura do número 56, próximo ao colégio Pedro II.

Um criminoso teria tentado assaltá-lo, ele reagiu, e três tiros foram disparados contra ele. Dois na barriga e um nas nádegas. Ele foi operado no Hospital Municipal Miguel Couto e passa bem

Cabo do Exército morto no RJ estava a 5 dias de concluir missão na Maré


Michel Augusto Mikami retornaria para a casa da família nesta quarta (3).
Militar foi baleado na cabeça durante patrulhamento da força de pacificação.

Lana TorresDo G1 Campinas e Região
O cabo do Exército Michel Augusto Mikami, de 21 anos, morto durante patrulhamentoda força de pacificação no Conjunto de Favelas da Maré, no Rio de Janeiro (RJ), estava a quatro dias de concluir a missão e voltar para a casa da família, em Vinhedo (SP), quando sofreu o atentado nesta sexta-feira (28). Segundo o Exército, o contingente ao qual ele pertencia, seria substituído na quarta (3). Mikami foi o primeiro militar das Forças Armadas morto desde o início do processo de pacificação, há seis anos.
O corpo do militar chegou do Rio de Janeiro ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), às 14h30, e seguiu em comboio, escoltados por veículos militares, até o Velório Municipal de Vinhedo, onde o velório teve início por volta das 17h. O cabo vivia no município paulista com o pai, um pintor, a mãe, uma dona de casa, e três irmãos mais novos. Ele entrou no Exército em 2012 e foi promovido a cabo já no ano seguinte, servindo pelo 28º Batalhão de Infantaria Leve, sediado em Campinas.
Corpo do cabo Michel Augusto Mikami chega ao velório em Vinhedo-SP (Foto: Lana Torres/G1)Corpo do cabo Michel Augusto Mikami chega ao
velório em Vinhedo-SP (Foto: Lana Torres/G1)
'Fatalidade', diz comandante
O comandante do batalhão acompanhava o patrulhamento da tropa de Mikami naquela tarde e, por isso, presenciou o momento em que ele foi atingido na cabeça. "Todos nós estamos emocionados com o que aconteceu, no momento em que houve o episódio eu estava junto e isso me toca mais ainda. Uma vida vale muito e a perda é sempre muito sentida. Mas nós temos em mente que a ida dele não foi em vão. A ida dele representa muito para ajossa tropa, representa uma energia que vai fazer com que nós cumpramos nossa missão com muito mais vontade, com muito mais dedicação para levar a pacificação àquela comunidade do Rio de Janeiro", afirmou.
De acordo com o general João Camil Campos, comandante militar do Sudeste, o jovem foi atingido no momento em que se deslocava de uma área coberta para outra durante patrulhamento diário de praxe. "A emboscada, nesse tipo de operações em ambiente urbano, ela acontece. Acontece um tiro de um local de onde você não prevê. Imagine você uma comunidade enorme como aquela, plana, onde você não tem como prever de onde vem o tiro. Na verdade, todos os procedimentos estavam tomados e ações desse tipo tem ocorrido diariamente mais de uma vez, portanto, o que ocorreu foi uma fatalidade", relatou o oficial.
Volta para casa
A missão do Exército no Complexo da Maré teve início em 31 de março e se encerra em 31 de dezembro. Nesse período, o Exército realiza substituições escalonadas do efetivo e o grupo ao qual Mikami pertencia teria o último dia de trabalho na terça e, no dia seguinte, viajaria de volta paraCampinas. Os pais do cabo não quiseram dar entrevista, mas alguns amigos e familiares relataram que havia uma grande expectativa deles e dos irmãos do militar em relação ao retorno dele. O jovem já havia atuado na missão de paz das Nações Unidas no Haiti e na operação de segurança da Copa do Mundo em São Paulo.
Segundo alguns parentes, o jovem, decendente de japoneses, era o único militar da família. Ele ingressou no Exército após passar uma temporada com os pais no Japão. "O menino sempre sonhou em servir ao Exército", relatou um amigo da família.
Alguns colegas de farda mais próximos de Mikami foram liberados antecipadamente da missão para retornar ao interior de São Paulo para acompanhar velório e sepultamento. O enterro está previsto para as 12h deste domingo (30), com honrarias e homenagens. "O pessoal vai sentir muito a falta dele, a gente era muito colado, eu posso dizer que ele era o meu melhor amigo de farda. Ele era um moleque espontâneo, que vai fazer falta para todo mundo que estava na missão", disse emocionado cabo Chaves, companheiro de missão da vítima.

Após morte de cabo, Pezão quer pedir permanência de Exército na Maré, Rio


Governador do RJ afirmou que pretende conversar com a presidente.
Força de Pacificação está na Maré desde o dia 5 de abril.

Do G1 Rio
O governador Luiz Fernando Pezão afirmou neste sábado (29) que pretende conversar com a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para que a Força de Pacificação permaneça no Complexo da Maré após dezembro, prazo inicialmente previsto. Segundo Pezão, por conta da dificuldade que a comunidade representa, a ideia é que a Força de Pacificação continue ocupando a região até que novos policiais militares se formem no Rio.
"Uma comunidade ao lado da Avenida Brasil, da Linha Vermelha, perto do Galeão, que tinha um nível de violência inimaginável. Uma região que o tráfico dominou por mais de 30 anos. Isso mostra a dificuldade que nós temos. E, se não fosse essa parceria com a presidenta Dilma e as Forças Armadas, dificilmente conseguiríamos ter êxito na nossa política de pacificação", ressaltou o governador, durante inauguração das obras de ampliação do sistema de abastecimento de água de Piraí.
De acordo com o governador, com o apoio da Força de Pacificação na Maré, os policiais militares poderão continuar reforçando os batalhões do interior do estado. Pezão garantiu ainda que mais mil PMs serão formados até o fim deste ano.

Pesar da presidente
A presidente da República Dilma Rousseff também expressou seu pesar por meio de nota. O comunicado ressaltou que o militar "morreu no cumprimento do dever, na missão de pacificação empreendida pelo Exército Brasileiro". "Quero expressar minha dor e minha solidariedade à família e aos amigos de Michel", disse a presidente.

Ocupação desde abril
A Força de Pacificação está na Maré desde o dia 5 de abril, quando 2,7 mil militares ocuparam 15 comunidades do conjunto de favelas. Mas os confrontos têm sido frequentes. Desde o início da ocupação, mais de 400 pessoas foram presas e 158 menores apreendidos. Nas operações de combate ao tráfico, além de drogas, os militares também apreenderam veículos, motos, armamento e munição.
Militares se preparam para participar de operação da PM na Maré (Foto: Mariucha Machado/G1)Militares se preparam para participar de operação da PM na Maré (Foto: Mariucha Machado/G1)
Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o VC no G1.

Polícia Militar troca o comando de 24 batalhões e 4 unidades no RJ



Na capital, onze oficiais perderam o comando de batalhões.
Informação foi divulgada pela assessoria de imprensa da PM.

Do G1 Rio
O comandante da Polícia Militar, coronel Íbis Silva, decidiu exonerar 28 oficiais do comando de batalhões e de unidades da PM. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa da PM neste sábado (29). Na capital, onze oficiais perderam o comando de batalhões. Veja a lista completa:

-No cargo de comandante do 3º BPM (Méier), o tenente-coronel Walter Teixeira da Silva Junior, era comandante do 22º batalhão (Maré)
-No cargo de comandante do 4º BPM (São Cristóvão), o tenente-coronel Rogério Quemento Lobasso, era comandante do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE)
-No cargo de comandante do 5º BPM (Centro), o tenente-coronel Ricardo Bakr De Souza Faria, era subcomandante do Comando de Policiamento Ambiental (CPAM)
-No cargo de comandante do 6º BPM (Tijuca), o tenente-coronel Marcelo Pereira Rocha, era chefe da 3ª seção do Estado-Maior Geral (PM/3)
-No cargo de comandante do 8º BPM (Campos), o tenente-coronel Marcelo Freiman de Souza Ramos, era comandante do 29º batalhão (Itaperuna)
-No cargo de comandante do 9º BPM (Rocha Miranda), o tenente-coronel Luiz Garcia Baptista, era subcomandante do 41º batalhão (Irajá)
-No cargo de comandante do 14º BPM (Bangu), o coronel Friederik Minervini Bassani, era comandante do 39º batalhão (Belford Roxo)
-No cargo de comandante do 16º BPM (Olaria), o tenente-coronel Carlos Eduardo Sarmento da Costa, era comandante do 34º batalhão (Magé)
-No cargo de comandante do 18º BPM (Jacarepaguá), o tenente-coronel Rogério Figueiredo de Lacerda, era comandante do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP)
-No cargo de comandante do 20º BPM, tenente-coronel Marcus Vinicius dos Santos Amaral, era comandante do 23º batalhão (Leblon)
-No cargo de comandante do 21º BPM (Mesquita), o tenente-coronel André Santos de Souza, era subcomandante do 14º batalhão (Bangu)
-No cargo de comandante do 22º BPM (Maré), o tenente-coronel Andre Luiz de Castro Maia, era subcomandante do Colégio da Polícia Militar (CPM)
-No cargo de comandante do 23º BPM (Leblon), o tenente-coronel Jorge Luiz Ferraz Eduardo, era chefe da Divisão de Assuntos Internos da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP)
-No cargo de comandante do 24º BPM (Queimados), o tenente-coronel José Augusto de Oliveira Junior, era comandante do 38º batalhão (Três Rios)
-No cargo de comandante do 27º BPM (Santa Cruz), o tenente-coronel Luiz Octavio Lopes da Rocha Lima, era comandante do 9º batalhão (Rocha Miranda)
-No cargo de comandante do 29º BPM (Itaperuna), o tenente-coronel Sylvio Ricardo Ciuffo Guerra, era comandante 36º batalhão (Santo Antônio de Pádua)
-No cargo de comandante do 31º BPM (Recreio), o tenente-coronel Sergio do Carmo Schalioni, era subcomandante do 5º Comando de Policiamento de Área (5º CPA)
-No cargo de comandante do 33º BPM (Angra dos Reis), o tenente-coronel Paulo Roberto das Neves Júnior, era chefe da 4ª seção do Estado-Maior Geral (PM/4)
-No cargo de comandante do 34º BPM (Magé), o tenente-coronel Ivan do Espirito Santo Araújo, era chefe da seção de Promoções da Diretoria Geral de Pessoal (DGP)
-No cargo de comandante do 36º BPM (Santo Antônio de Pádua), o tenente-coronel Eduardo Vaz Castelano, era subcomandante do 11º batalhão (Nova Friburgo)
-No cargo de comandante do 37º BPM (Resende), o tenente-coronel Wagner Cristiano Moretzsohn, era comandante do 33º batalhão (Angra dos Reis)
-No cargo de comandante do 38º BPM (Três Rios), o tenente-coronel Oderlei Santos Alves de Souza, era chefe da 1ª seção do Estado-Maior Geral (PM/1)
-No cargo de comandante do 39º BPM (Belford Roxo), o tenente-coronel PM Alexandre de Souza Rodrigues
-No cargo de comandante do 40º BPM (Campo Grande), o tenente-coronel PM Marcos André de Lima Pacheco
-No cargo de comandante do 41º BPM (Irajá), o tenente-coronel PM Antônio Marcos Netto dos Santos, era comandante do 20º batalhão (Mesquita)
-No cargo de comandante do BPVE (Batalhão de Policiamento em Vias Especiais), o tenente-coronel Welste da Silva Medeiros, era chefa da 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (4ª DPJM)
-No cargo de comandante do BPRv (Batalhão de Polícia Rodoviária), o tenente-coronel André Luiz Belloni Gomes, era comandante do Colégio da Polícia Militar (CPM)
-No cargo de comandante do Grupamento de Policiamento Ferroviário (GPFER), o major Luiz Arthur Viana Franco Castro, era do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE)

Suspeito morre e dois são presos após roubo de carro no Rio


Grupo tentou roubar veículo na Zona Norte da cidade.
Polícia localizou o veículo e apreendeu duas armas.

Do G1 Rio
Um suspeito morreu e outros dois foram presos depois de roubar um carro na Zona Norte do Rio na noite deste sábado (29). A polícia foi avisada do roubo e conseguiu localizar o carro. Houve troca de tiros. O suspeito baleado chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu. A polícia apreendeu duas armas. As informações são da GloboNews.
Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o VC no G1.

Três policiais morrem em supostas tentativas de assalto no RJ


Casos ocorreram em Rocha Miranda, em Vilar dos Teles e Magé.
Crimes são investigados pela Divisão de Homicídios.

Do G1 Rio
Três policiais militares foram mortos na noite deste sábado (30). Os crimes ocorreram em Rocha Miranda, no Subúrbio do Rio, em Vilar dos Teles e Magé, na Baixada Fluminense. Segundo as primeiras informações, os casos não teriam ligação e os militares teriam sido vítimas de tentativas de assalto.
O primeiro crime ocorreu na Rua Lageado, em Rocha Miranda, no Subúrbio, por volta das 20h. O subtenente da PM Jorge Serrão, lotado no 21º BPM (São João de Meriti), estava na companhia do filho, próximo a sua residência, quando foi abordado por dois criminosos. O policial teria tentado reagir e acabou sendo morto. O filho não ficou ferido. De acordo com informações do 9ºBPM, o policial teria sofrido uma tentativa de assalto.
Ainda segundo informações 9º BPM, o subtenente chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu e morreu. O crime está sendo investigado pela Divisão de Homicídios da capital.
O segundo caso ocorreu em Vilar dos Teles, distrito de São João de Meriti, Baixada Fluminense. Diego Santos de Oliveira, policial militar lotado na UPP do Morro do Turano e o seu irmão Diogo Santos de Oliveira, foram vítimas de uma tentativa de assalto na Estrada Santiago, próximo ao Morro das Pedrinhas.
O policial teria reagido e acabou baleado junto com o irmão. Os dois morreram no local. De acordo com informações do 21º BPM, bandidos teriam tentado levar a moto de Diogo, irmão do policial. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídio da Baixada Fluminense, que esteve no local para a realização de perícia.
Até as 7h45 deste domingo, os corpos do PM e do irmão estavam no Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias.
O terceiro caso ocorreu no município de Magé, no bairro de Suruí. O subtenente identificado como Jorge Henrique Xavier, lotado no 16º BPM (Olaria), foi morto também no que seria uma tentativa de assalto. Segundo informações do batalhão de Magé, o crime ocorreu por volta das 21h na Rua São Nicolau. O caso também será investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense.
Segundo as primeiras informações DH, aparentemente os casos não teriam ligação e que a única proximidade entre os crimes seria quanto ao horário
.Pezão defende penas mais severas para quem matar policiais no RJ
O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, defendeu na manhã de quarta-feira (26) a punição mais severa para criminosos que matarem policiais, e fez críticas ao órgãos de defesa dos Direitos Humanos.

"Sofro muito, me solidarizo com as famílias desses policiais. Poucas vezes a gente vê os órgãos de direitos humanos se manifestarem quando morre um policial. Então, os nossos policiais que estão aí tentando levar a paz e a tranquilidade sendo assassinados, eu acho que merece muito também essa solidariedade das comissões, são ONGs e das pessoas que gostam muito de criticar os policiais. A gente tem que discutir dentro do Congresso Nacional o que a gente quer na política de segurança pública. Acho que a gente precisa de penas mais severas. Tinha discutido já em abril a pena mais severa para quem matar o policial", destacou Pezão.
Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o VC no G1.

Assaltantes são detidos ao ficarem 'presos' em engarrafamento, ES


Suspeitos havia roubado uma loja no bairro Vila Rica, em Cachoeiro.
De acordo com a polícia, os homens roubaram um carro para fugir.

Do G1 ES, com informações da TV Gazeta *
Dois suspeitos foram detidos após assaltarem uma loja e roubarem um carro na tarde desta sexta-feira (28), emCachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo. De acordo com a polícia, os dois suspeitos fizerem o motorista do carro roubado de refém e foram detidos após ficarem presos em um engarrafamento. Eles foram levados para a delegacia do município.
O assalto aconteceu no bairro Vila Rica. De acordo com uma testemunha, que preferiu não se identificar, os assaltantes disseram que poderiam atirar e que nada iria acontecer porque eram menores de idade. Os suspeitos foram presos e reconhecidos pela vítima.
Após roubarem o carro para fugir, os suspeitos entraram em uma rua movimentada e não conseguiram sair de um engarramento no Centro de Cachoeiro. Eles foram abordados pela polícia, que efetuou a prisão.
* Com colaboração de Aline Souza, da TV Gazeta Sul

Jovem de 18 anos é preso com arma e R$ 1,4 mil em dinheiro, no ES


Flagrante ocorreu durante operação da polícia no bairro Nova Esperança.
Ele foi levado para o presídio de Linhares.

Do G1 ES
Um jovem de 18 anos foi preso, no final da tarde desta sexta-feira (28), com R$ 1,4 mil em dinheiro, uma arma e munição, durante uma operação da Polícia Civil em Linhares, no Norte do Espírito Santo. Ele foi encaminhado para a 16ª Delegacia Regional de Linhares e, depois, para o presídio do município.
Segundo o titular da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de Linhares, delegado Fabrício Lucindo, durante os trabalhos de investigação, no bairro Nova Esperança, os policiais civis observaram o rapaz em atitude suspeita.
"Ao tentarem abordá-lo, ele fugiu desesperadamente, pulando muros e cercas, até que foi capturado e imobilizado pelos policiais", informou o delegado. Com o suspeito também foi apreendida uma pequena quantidade de droga.
Materiais apreendidos com o suspeito durante operação (Foto: Divulgação/ Polícia Civil de Linhares)Materiais apreendidos com o suspeito durante operação (Foto: Divulgação/ Polícia Civil de Linhares)